Ramos de Azevedo

sexta-feira, 12 de junho de 2020.
Notícia
Ramos de Azevedo, Arquiteto, arquitetura, Fundação Biblioteca nacional
Francisco de Paula Ramos de Azevedo foi um engenheiro-arquiteto, professor e empreendedor paulista que, juntamente com seus colaboradores do Escritório Ramos de Azevedo, fundado em 1886, projetou e construiu diversos edifícios que se tornaram marcos arquitetônicos na cidade de São Paulo, como o Teatro e o Mercado Municipais, a Pinacoteca do Estado, o Palácio da Justiça e muitos outros.

Ramos de Azevedo nasceu em 1851, formou-se engenheiro-arquiteto em 1878 na Universidade de Gante, Bélgica, e no ano seguinte retornou ao Brasil, estabelecendo seu primeiro escritório profissional em Campinas, São Paulo.

Em Campinas, realizou o projeto da Escola do Povo Ferreira Penteado, o Circolo Italiani Uniti (hoje Casa de Saúde Campinas) e concluiu a construção da Catedral Metropolitana (http://memoria.bn.br/DocReader/216127/861), entre outras obras. Apresentou à Câmara Municipal, em 1885, um projeto de Código de Posturas elaborado em conjunto com Luiz Augusto Pinto. O projeto, não promulgado, indicava medidas para a remodelação arquitetônica e urbanística de Campinas, que se tornava o maior centro agrícola de São Paulo. Visando a modernização, a melhoria das condições de higiene e a ocupação ordenada do espaço urbano, o projeto propunha a redefinição de ruas, normas para a construção das casas operárias, diretrizes para garantir iluminação e ventilação naturais nos edifícios, parâmetros para a contrução de fossas para latrinas, entre outras medidas.

Ramos de Azevedo mudou-se para a cidade de São Paulo em 1886, mas manteve sua ligação com Campinas por toda a vida. Na capital paulista, fundou o Escritório Ramos de Azevedo, responsável por milhares de projetos executados em décadas de atuação, tendo o Escritório subsistido após a morte de seu fundador, em 1928.

Dentre as obras construídas em São Paulo pelo Escritório estão os edifícios que abrigaram as Secretarias da Agricultura e da Fazenda, no Pátio do Colégio (atualmente ocupados pela Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania, http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967420.jpg); o edifício do Liceu de Artes e Ofícios, próximo ao Jardim da Luz (hoje Pinacoteca de São Paulo); o Teatro Municipal, na Praça Ramos (http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1434262/icon1434262.jpg); o edifício da Agência Central dos Correios e Telégrafos, no Vale do Anhangabaú (hoje Centro Cultural Correios, http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1477981/icon1477981.jpg); o Mercado Municipal, na região central da cidade. Aos edifícios públicos, somam-se os particulares, palacetes, sedes de fazendas. Também projetou o Pavilhão de São Paulo para a Exposição Nacional de 1908, realizada na Urca, Rio de Janeiro, em comemoração ao centenário da Abertura dos Portos às Nações Amigas (http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/5479).

As obras realizadas por Ramos de Azevedo e seu Escritório prezam pela qualidade técnica. Todas as etapas do processo de construção eram cuidadosamente consideradas, do projeto à execução, dos pormenores da decoração interior à integração dos edifícios na paisagem. Suas obras trouxeram inovações estilísticas e na organização dos espaços, enfatizando a salubridade e a luminosidade. E inovações no uso de técnicas e materiais construtivos, como armações metálicas, alvenaria de tijolos e elementos de ferro aparente.

Ramos de Azevedo foi docente e diretor da Escola Politécnica de São Paulo e também dirigiu o Liceu de Artes e Ofícios, na mesma cidade. Faleceu em 12 de junho de 1928 (http://memoria.bn.br/docreader/090972_07/30954).
(Seção de Iconografia)