Goku Day

sábado, 9 de maio de 2020.
Notícia
Goku, Goku day, Dragon Ball, Fundação Biblioteca nacional
Em 9 de maio, os fãs de Dragon Ball, de Akira Toriyama, comemoram o “Dia do Goku” ou “Goku Day”. A escolha no calendário foi pensada em razão da combinação da sonoridade dos números do mês 05 e do dia 09, que em japonês são pronunciados “Go” para 五 (5) e “Ku” para 九 (9), formando assim o nome do personagem principal “Goku”. A data foi oficializada 18 de abril de 2015 pela Japan Anniversary Association, através da solicitação feita pela Toei Co.Ltd., distribuidora do filme.

cobertura-6410-goku-day.png

Dragon Ball Z (O Fluminense - RJ)
Dragon Ball Z (O Fluminense - RJ)

Qual o motivo de levantarmos aqui essa curiosidade? Você sabia que o Brasil conta com a maior população nipônica fora do Japão, os chamados nikkeis? A imigração japonesa para as terras brasileiras começa oficialmente no ano de 1908, quando o navio Kasatu Maru aporta em São Paulo trazendo mais de 700 imigrantes. E isso só se concretizou devido às negociações ocorridas 13 anos antes e formalizadas em tratado de cooperação assinado em 5 de novembro de 1895. O objetivo era que aqueles japoneses fossem trabalhar no interior do país, nas lavouras em franca expansão e com grande necessidade de mão-de-obra. Atualmente, São Paulo e Paraná são os estados que concentram o maior número de nikkeis.

Com seu espírito de coletividade e de apreço pela memória e cultura de seu povo, os imigrantes que chegaram ao Brasil procuraram manter o ensino, as tradições, sem, entretanto, apartarem-se da cultura local. Apesar da discrição no convívio interpessoal ser um traço marcante e peculiar da sociedade japonesa, as gerações que chegam ao Brasil buscam manter trocas saudáveis entre as tradições culturais. Um exemplo, foi a criação de escolas pelos imigrantes, como aponta a Fon-Fon de 1925.

Não sem objeções, como a expressa em editorial do jornal O Estado, as colônias de imigrantes foram se consolidando, em especial no eixo Sul do país. Superando todas as críticas, e as dificuldades de adaptação entre culturas tão diversas, os imigrantes japoneses construíram aqui o seu segundo lar.

A aproximação entre os países se tornou cada vez mais intensa a ponto de haver uma tentativa de estreitamento de laços comerciais em plena década de 1940, no contexto em que havia uma Guerra Mundial que envolveria, em lados opostos, Brasil e Japão, (Intercâmbio Nipo Brasileiro). Somente após o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), esses laços comerciais serão gradualmente retomados. Já na década de 1950 encontramos referências a festas da cultura japonesa no Rio de Janeiro (Fon-Fon).

Estudando um pouco mais a inserção da cultura nipônica no Brasil, encontramos a referência à leitura e à produção de mangás, bem como a chegada de filmes de aventura e heróis japoneses a partir da década de 1960. National Kid, Godzila, Ultraman, Spectreman, Jaspion, Changeman, são alguns dos títulos presentes nas telinhas de TV pelo Brasil afora. Assistir National Kid, como menciona Rachel de Queiroz, na crônica Televisão, era uma das metas perseguidas pelas crianças depois do cumprimento das obrigações diárias (O Cruzeiro).

Iniciamos nosso breve passeio pela cultura japonesa mencionando Goku. Onde estaria ele nessa cronologia? A porta para a entrada desse personagem foi aberta nas décadas anteriores. Contudo, somente nos anos 1990 os animes, como Os Cavaleiros do Zodíaco (Saint Seiya - 聖闘士星矢) e Dragon Ball (ドラゴンボール), aportam em terras brasileiras. Logo os personagens se tornaram os queridinhos daquela geração de crianças e adolescentes, fascinados pelas batalhas épicas presentes em cada uma das séries.

O mangá Os Cavaleiros do Zodíaco, criado por Masami Kurumada (車田正美), começou a ser publicado na revista Weekly Shonen Jump, entre o final do ano de 1985, inicio de 1986, transformando-se em anime alguns meses depois. No Brasil, a série teria sua primeira exibição na extinta Rede Manchete em 1994.

A história narra a trajetória de cinco jovens órfãos, dotados de grande poder e coragem, que foram recrutados para se tornarem os lendários Cavaleiros de Atena, e sua missão seria defendê-la e proteger a paz no mundo contra forças obscuras. São eles: Shiryu de Dragão, Hyoga de Cisne, Shun de Andrômeda, Ikki de Fênix e Seiya de Pégaso, sendo o último personagem citado o foco principal da narrativa.

O mangá Dragon Ball, de Akira Toriyama, foi lançado em 1984, e o anime em 1986, e tem em Goku o personagem principal da série. Sua versão em mangá, inspirada em um clássico chinês intitulado Jornada ao Oeste, teve a duração de 11 anos (1984-1995), tendo 42 volumes e 519 capítulos. No formato animação, o título teve duas séries originais, a Dragon Ball e a Dragon Ball Z, longas-metragens entre outros produtos, como as séries Dragon Ball GT e Dragon Ball Super, que se inspiraram na história original (Correio Braziliense)

Dragon Ball narra as aventuras de Son Goku, praticante de artes marciais, de sua infância até a idade adulta e que, junto com seus amigos, sai em busca das Esferas do Dragão (as Dragon Ball), objetos místicos capazes de conceder um desejo a quem as possuir. Durante essa busca, nosso protagonista trava diversas lutas e está sempre tentando superar a si mesmo no desenvolvimento de suas habilidades. Goku, também conhecido como Kakaroto, é um alienígena do planeta Vegeta, fazendo parte de uma poderosa raça conhecida como Saiyajins. Com o desenvolvimento do enredo, Goku não apenas evolui como mestre de artes marciais, mas também acaba se tornando defensor da Terra.

A Biblioteca Nacional, em seu acervo na Coordenadoria de Publicações Seriadas, possui as HQs Dragon Ball. Super (2018), Dragon Ball (2012 a 2015) e Dragonball(2019), bem como o mangá Saint Seya: Cavaleiros do Zodíaco (2016). Para quem quer conhecer mais da relação cultural Brasil-Japão, há também revistas como a Cultura do Brasil! : revista bilingue Nipo-Brasileira (1990) e os relatórios de cooperação entre os países, como Alianca Brasil-Japão: órgão da Aliança Cultural Brasil Japão (1959),dentre outros títulos disponíveis para pesquisa quando as atividades presenciais retornarem a normalidade.

(Raquel Ferreira e Stéphanie Salgado)