A correspondência entre Freud e Artur Ramos

quarta-feira, 6 de maio de 2020.
Notícia
Freud, Psicanálise, Artur Ramos, Fundação Biblioteca nacional
Nascia, em 6 de maio de 1856, o neurologista e psiquiatra austríaco considerado fundador da psicanálise, Sigmund Freud. Em seus tratamentos, Freud abandonou o uso de drogas ou hipnoses, técnicas comumente aplicadas em psicopatologias na época, pelo método da clínica, que consistia no diálogo com pacientes.

cobertura-6396-correspondencia-entre-freud-artur-ramos.jpg

Cartão de Sigmund Freud a Arthur Ramos, 20 de maio de 1927.
Cartão de Sigmund Freud a Arthur Ramos, 20 de maio de 1927.

Apesar de inicialmente controversa entre os pares, a teoria de Freud foi aos poucos difundida e referendada por médicos de diversas regiões, que se uniram a ele na formação do chamado movimento psicanalítico, de grande influência até os dias atuais.

Correspondeu-se com o médico psiquiatra brasileiro Arthur Ramos (1903-1949). Em carta de 11 de março de 1928, salvaguardada na Seção de Manuscritos da Fundação Biblioteca Nacional, Freud reconhece o trabalho de Arthur Ramos como em conformidade com o pensamento psicanalítico até então conhecido.

Um ano antes, Arthur Ramos encaminhara ao fundador da psicanálise sua tese de doutoramento, “Primitivo e loucura”, na qual analisa o fenômeno psicopatológico da loucura a partir de uma interseção das teses freudianas, antropológicas e psiquiátricas. Freud agradeceu o envio, lamentando-se não dominar a língua portuguesa.

Freud faleceu de cancro no palato, em 23 de setembro de 1939, com 83 anos.