Vietnã: Corações & Mentes

quinta-feira, 30 de abril de 2020.
Notícia
Vietnã, Guerra do Vietnã, guerra, Fundação Biblioteca nacional, Revista Manchete
Em 30 de abril de 1975, finalmente chegava ao fim a guerra do Vietnã, até hoje a guerra com maior cobertura jornalística já realizada e, certamente ainda até hoje, a que mais influenciou a sociedade americana (e por consequência mundial). Mais de 3 milhões de jovens americanos lutaram nessa guerra e o numero de mortos entre esses jovens ultrapassou os 60 mil, enquanto o numero total de vitimas fatais em toda a guerra ultrapassou a casa dos 3,5 milhões.

cobertura-6374-vietna-coracoes-mentes.jpg

Vietnã O desespero final - Revista Machete
Vietnã O desespero final - Revista Machete

Um conflito apenas 'notado' a partir da entrada efetiva em ação das tropas dos Estados Unidos contra as tropas conjuntas do Vietcong e do Vietnam do Norte na primeira batalha travada no longínquo ano de 1965 nas serras sul vietnamitas, mais precisamente em Pleiku, denominada batalha de La Drang até a ultima, digamos, 'batalha' do conflito, ocorrida em 30 de abril de 1975 com a tomada de Saigon (rebatizada no mesmo dia de Ho Chih Minh city) por tropas vietcongs e norte vietnamitas quase sem encontrar resistência por parte do esfacelado exército sul vietnamita e da vergonhosa derrocada americana e de seus aliados numa operação de retirada montada pelas forças americanas, quase de improviso, e realizada de forma que beirava em alguns momentos ao desespero daqueles que queriam abandonar o quanto antes aquele local e a agonia daqueles que, aliados do poder deposto e tambem dos americanos, foram deixados para trás, abandonados a sua própria sorte.

A imprensa mundial esteve lá em todos os momentos, cobrindo os bastidores e principalmente a rotina trágica das batalhas. E essa cobertura realizada acabou gerando inúmeras manifestações que variavam entre o apoio incondicional às forças armadas americanas até, predominantemente, os protestos contrários a escalada da guerra. Protestos esses iniciados primeiramente pela juventude americana e que rapidamente se espalhariam por todo o mundo.

Nomes como Ho Chih Minh, Nguyen von Giap, Lyndon Johnson, William Westmoreland, Nguyen van Thieu, Kissinger ou Robert McNamara eram exaltados e execrados. Atos como o massacre de My Lai e a ofensiva do Tet causavam um impacto profundo na opinião pública mundial, provocando as mais variadas reações. Parecia que toda a ação acontecia bem ali ao seu lado. As imagens assustadoras dos enormes B-52 despejando bombas (muitas vezes químicas: Napalm), ficavam gravadas na memória.

No Brasil, a grande imprensa, além de publicar as matérias distribuídas pelas grandes agências internacionais de notícias, também se fez presente com a participação de Gervásio Barbosa, enviado ao front pela revista Manchete e José Hamilton Ribeiro, enviado especial da revista Realidade que, em conjunto com a excelente cobertura realizada do conflito, também causou ao brilhante jornalista a perda de parte de sua perna esquerda por pisar acidentalmente em uma mina terrestre enterrada em uma das milhares de trilhas das florestas vietnamitas.

 A guerra do Vietnã, ou melhor: A guerra da Indochina e depois a Guerra do Vietnã (1946-1975) foi a luta de um povo pela sua independência, sua identidade e a liberdade de escolher o próprio caminho.