“Rio de Janeiro and Nictheroy Tubular Railway”, bem antes da ponte

sábado, 25 de abril de 2020.
Notícia
Niteroi, Ponte Rio Niterói, Fundação Biblioteca nacional, Barcas
O projeto de interligar a cidade do Rio Janeiro a Niterói, por via terrestre, só se concretizou, em 1974, com a inauguração da ponte Rio-Niterói. No entanto, a ideia de integrar as duas cidades é planejada desde o século XIX.

cobertura-6350-rio-janeiro-and-nictheroy-tubular-railway-bem.jpg

“Rio de Janeiro and Nictheroy Tubular Railway”
“Rio de Janeiro and Nictheroy Tubular Railway”

O primeiro serviço de transporte regular entre o Rio e Niterói passou a ser feito, a partir de 1835, por barcas a vapor inglesas, da Companhia de Navegação de Niterói, que tinham capacidade para acomodar cerca de 200 pessoas, a frequência das viagens era de hora em hora e a duração da travessia era de meia hora. Ainda, em 1817, D. João VI concedeu aos ingleses William Spencer e Charles Nicoll o privilégio de exploração de barcas a vapor pela Baía de Guanabara.

Em 1876, surge um projeto inovador de um túnel submerso ligando a cidade do Rio de Janeiro a Niterói, de autoria do engenheiro Hamilton Lindsay-Bucknall. O decreto n. 6138, de 4 de março de 1876 concede a Hamilton Lindsay Bucknall privilegio por cincoenta annos para a construcção, uso e gozo de um tunnel submarino e estrada de ferro que communique a capital do Imperio com a cidade de Nictheroy. O túnel seria construído com chapas de ferro ou aço e teria de 5 a 6 metros de diâmetro e 5 metros de altura.

O plano insere-se no contexto de expansão dos empreendimentos ferroviários, em decorrência da riqueza gerada pela atividade cafeeira, atraindo várias companhias e investidores ingleses para o Brasil. A partir do crescimento de obras de infraestrutura voltadas para o desenvolvimento do comércio, começaram a aparecer empresas de serviços, casas bancárias, comerciais e empresas ligadas à implementação de transportes urbano e ferroviário. O projeto, idealizado por Hamilton Lindsay-Bucknall e aprovado pelo engenheiro inglês Peter W. Barlow, no entanto, não se concretizou.

Em posse da família imperial, o documento intitulado “Rio de Janeiro and Nictheroy Tubular Railway” passou a compor a Coleção Teresa Cristina Maria da Fundação Biblioteca Nacional, e atualmente está sob a guarda da Seção de Manuscritos. Compõe-se de um texto com especificações sobre a obra e urbanização dos terminais, duas plantas, e a carta dos engenheiros Peter W. Barlow e Peter W. Barlow Jr., opinando favoravelmente ao projeto.

Acesse