Dia Mundial da Saúde

terça-feira, 7 de abril de 2020.
Notícia
saúde, epidemias, Fiocruz
Instituído em 7 de abril de 1950, o Dia Mundial da Saúde representa um marco internacional para reflexão sobre temas ligados à saúde física e mental, qualidade de vida, incentivos à pesquisa na área da médica, promoção da igualdade de acesso às estruturas de saneamento básico, alimentação saudável, dentre outras. O dia foi escolhido por ser relacionado à data de criação da própria Organização Mundial da Saúde, em 7 de abril de 1948.

cobertura-6286-dia-mundial-saude.jpg

Instituto Oswaldo Cruz - Manguinhos - Rio de Janeiro
Instituto Oswaldo Cruz - Manguinhos - Rio de Janeiro

Desde então, a cada aniversário da OMS, temas são escolhidos e adotados tanto em campanhas internacionais quanto em campanhas regionais. No ano de 2000, o tema da campanha foi “Sangue seguro começa comigo”, em referência aos altos níveis de contaminação do sangue por doenças como HIV, Doença de Chagas, Hepatite C, como mostra matéria do Jornal do Brasil de 8 de abril de 2000.  No ano seguinte, a campanha foi dedicada à Saúde Mental, conforme editorial do Jornal do Commércio de março de 2001. Em 2019, o tema da América Latina para o Dia Mundial da Saúde foi Saúde Universal: Saúde para todas e todos, em todos os lugares.

Fiocruz e o combate a epidemias

A fotografia do início do século retrata o Castelo Mourisco, Pavilhão Mourisco, Castelo da Ciência, Palácio das Ciências, Castelo da Fiocruz, diferentes nomenclaturas para um imponente prédio da Fundação Oswaldo Cruz, localizado às margens da Avenida Brasil no Rio de Janeiro. O castelo foi idealizado por Oswaldo Cruz, médico e pesquisador brasileiro e inspirado no instituto francês, Pasteur. O projeto da obra foi elaborado pelo engenheiro Luiz Moraes Júnior e construído entre o período de 1905 – 1918.

Graduado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1892, Oswaldo Cruz possuía interesse científico na área de microbiologia e atuou em diversas instituições como a junto Policlínica Geral do Rio de Janeiro, Instituto Soroterápico Federal, Diretoria-Geral de Saúde Pública. O médico empreendeu esforços ao combater, na então capital federal, doenças como: febre amarela, peste bubônica e varíola. Ao utilizar de métodos como isolamento dos doentes, notificação dos casos, desinfecção de áreas de foco, campanhas de saneamento, a incidência da peste bubônica, por exemplo, diminuiu.

Em 1918, o Instituto de Patologia Experimental de Manguinhos, tornou-se Fundação Oswaldo Cruz, em reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelo médico. A instituição, de relevância internacional, segue investindo em pesquisa científica, ensino, inovação, desenvolvimento tecnológico de qualidade e de referência com a atuação de muitos profissionais e pesquisadores.

Atualmente, no combate à epidemia do novo Covid-19, a instituição produz conteúdo para profissionais de saúde, para a população, atua na pesquisa e junto aos pacientes.

Esperamos que tal como na epidemia do início do século, que os profissionais de saúde obtenham êxito em todo o trabalho desenvolvido.