Em 1881, o Dragão do Mar impediu o tráfico de escravos

quarta-feira, 15 de abril de 2020.
Notícia
Em 15 de abril de 1839, nascia em Aracati, no Ceará, Francisco José do Nascimento, o "Chico da Matilde", que entrou para a história como o Dragão do Mar. A proibição do tráfico intercontinental em 1850 havia fomentado o tráfico interprovincial de escravizados, principalmente entre norte/nordeste e sudeste.

Líder jangadeiro e prático do porto de Fortaleza, Chico da Matilde teve um importante papel no movimento abolicionista do Ceará, ao liderar, em 1881, seus companheiros que se recusaram a embarcar no porto de Fortaleza os escravizados que seriam enviados às províncias do sul. O movimento dos jangadeiros em Fortaleza paralisou o mercado escravista do porto da cidade que, a partir de então, foi considerado fechado para o tráfico.

O Ceará seria a primeira província brasileira a abolir a escravidão, em 1884, quatro anos antes da assinatura da Lei Áurea. Na ocasião, Chico da Matilde embarcou com seus companheiros para o Rio de Janeiro, onde participou das comemorações pela abolição no Ceará e, junto com ele, levou embarcada uma de suas jangadas, nomeada Liberdade. A recepção e as comemorações abolicionistas na Corte ajudaram a consolidar a alcunha de Dragão do Mar. A edição 376 da Revista Illustrada, que reportou as comemorações, homenageou Francisco do Nascimento na sua capa, com uma ilustração de Angelo Agostini.

(Maria Angelica Bouzada)

Acesse